Saturday, 27 January 2018

Fabaceae - Mimosa ursina Mart.

Glomérulo com flores pequenas, filetes rosa e anteras amarelas (f. 1)
Flores com cálice gamossépalo e corola gamopétala (f. 2)
Glomérulo esférico (f. 3)
Glomérulo axilar, longi-pedicelado com um visitante floral (f. 4)
Planta subarbustiva decumbente (f. 5)
Visitante floral (f. 6)
 
Folha bipinada, unijuga, folíolos oblongos, foliólulos ovado-elíptico, face adaxial maculada (f. 7)
Visitante floral (f. 8)
Ramos decumbentes (f. 9)
Filotaxia alterna, dística (f. 10)
 Leguminosae, Mimosoideae, Mimoseae, sect. Mimosa, serie iii Modestae (Barneby 1991) 490-510 espécies (Lewis et al. 2005).

No Brasil ocorrem 358 espécies das quais 265 são endêmicas (Dutra e Morim 2015).

Planta subarbustiva, decumbente, 50 cm compr.; ramo lignoso, pouco difuso, cilíndrico, esparso-piloso, armado com acúleo oculto pela estípula. Estípula 2, ovada, margem ciliada. Filotaxia alterna, dística. Folha bipinada, 1 par de folíolo, oblongo; foliólulo 5 pares, ovado-elíptico, ápice obtuso, mucronado, margem ciliada, base assimétrica, rotunda, face adaxial glabra com máculas alvas, e abaxial glabras, nervação actinódroma, 5, membranácea, com sensibilidade. Inflorescência axilar, glomérulo esférico, pedúnculo longo, híspido; botão com prefloração valvar; flor pequena, actinomorfa, hipógina, monoclina, séssil, cálice gamossépalo, alvo, inconspícuo, corola gamopétala, tubulosa, pétala 4, alva com lobos esverdeados, oculta pelos estames; androceu dialistêmone, isostêmone, filete rosa, antera amarela, basefixa, rimosa; gineceu moncarpelar, ovário séssil, pluriovulados, filete longo. Fruto craspédio, plano, oblongo, armado, 2-3 segmentos de fruto, armado.

Fotos: Rubens Teixeira de Queiroz; Campo de futebol da Coab 6, Petrolina, Pernambuco, Brasil

Referências

-Barneby, R.C. 1991. Sensitivae censitae: a description of the genus Mimosa Linnaeus (Mimosaceae) in the New World. Memoirs of the New York Botanical Garden 65:1-835.  

-Dutra, V.F.; Morim, M.P. Mimosa in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Available in: . Access on: 09 Mai. 2015


-Lewis, G., Schrire, B., Mackinder, B., Lock, M. 2005.  Legumes of the world. Royal Botanic  Gardens, Kew, 577p.



Exsicatas

 http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/geral/ExibeFiguraFSIUC/ExibeFiguraFSIUC.do?idFigura=62359433
http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/geral/ExibeFiguraFSIUC/ExibeFiguraFSIUC.do?idFigura=61103536




Catingueira - Fabaceae - Cenostigma bracteosum x C. nordestinum x C. pyramidale





Locais: Serrinha dos Pintos, RN - São José dos Cordeiros, PB - Petrolina, PE

Cenostigma é um gênero que se carateriza pelo hábito arbóreo, estípulas caducas, folhas bipinadas, inflorescência racemo ou panícula, flores com pedicelo articulado, zigomorfa, monoclina, hipógina, filetes longos, antera rimosa e legume tipico com valvas lignosas.

Um dos grandes problemas que se encontra nas espécies que são conhecidas como catingueiras é sua determinação. O que se conhece como catingueira pode ser atribuído a três espécies e Cenostigma: C. bracteosum, C. nordestinum e C. pyramidale. Os caracteres usados para delimitar as espécies são reprodutivos, dessa forma de difícil delimitação quando vegetativo. Queiroz (2009) em sua excelente obra Leguminosas da caatinga delimita estas a partir da articulação do pedicelo e o comprimento do hipanto. Onde C. pyramidale apresenta pedicelo articulado próximo a base do pedicelo ou seja abaixo da metade do comprimento enquanto as demais tem articulação próximo ao ápice do pedicelo. Este estado de caráter é compartilhado por C. bracteosum e C. nordestinum, tendo a primeira bráctea ovada enquanto a segunda brácteas estreito-ovadas.


Fabaceae - Cenostigma pyramidale (Tul.) Gagnon & G.P. Lewis

Flor zigomorfa, pétalas heteromórficas, estames com filetes longos (f. 1)
Flor longi-pedicelada, botões ovados (f. 2)
Inflorescência terminal, panícula, pedicelo articulado próximo a base (f. 3)
Brácteas caducas (f. 4)
Um visitante floral "Bombus" (f. 5)
Fruto em desenvolvimento inicial (f. 6)
 Panícula terminal (f. 7)
Fruto com desenvolvimento completo (f. 8)
Flores fecundadas (f. 9)
Vista de cima para baixo dando para observar a disposição espiralada dos botões na inflorescência (f. 10)
Visão lateral da panícula de racemos piramidal (f. 11)
Arvoretas (f. 12)
Fruto legume típico, linear, plano (f. 13)
Legume com valvas lignosas, contorcidas (f. 14)
 Pedicelo com articulação na base (f. 15)
Folha bipinada com 3 folíolos, cada com 6-7 foliólulos (f. 16)
Foliólulo elíptico (f. 17)
Tronco cilíndrico, lenticelado e cinzento (f. 18)
 Leguminosae, Caesalpiniodeae, Caesalpineae, Cenostigma  Tul.

No Brasil ocorrem 7 espécies das quais 5 são endêmicas (Lewis 2015).

Cenostigma pyramidale (Tul.) Gagnon & G.P. Lewis, PhytoKeys 71: 93. 2016.

Basiônimo: Caesalpinia pyramidalis Tul., Archives du Muséum d'Histoire Naturelle 4: 139. 1844.

Planta arbórea com 2m alt.; tronco retorcido, cilíndrico, cinza; copa aberta; ramo cilíndrico, lenticelado, cinza, glabro, inerme. Estípula caduca. Filotaxia alterna, espiralada. Folha grande, composta, bipinada, folíolos 1-3, foliólulos 6-7, alternos, elíptico, ovado, ápice arredondado-mucronado, margem inteira, base assimétrica, face adaxial glabra, viridescente, face abaxial glabra, nervura não expressa, coriáceo, raque com comprimento maior que do pecíolo. Inflorescência terminal, racemo ou panícula congesta, tomentulosa, rufo. Bráctea pequena, linear, caduca. Botão ovado, tomentuloso, castanho, prefloração imbricada. Flor grande, hipógina, zigomorfa, monoclina, longo-pedicelada, pedicelo articulado 1/2 da base; hipanto campanulado, curto; cálice dialissépalo, sépalas 5; corola dialipétala, pétalas 5, heteromórficas, unguiculadas, amarelas, reflexas, obovado-oblongo, carena reflexa, com guia de néctar vermelho; androceu dialistêmone, estames 10, filetes longos, , antera elíptica, dorsefixa, rimosa, amarela; gineceu 1, ovário séssil, oblongo, pluriovulado, estilete longo, estigma puntiforme, verde. Fruto legume típico, deiscente, linear, plurisseminado, oblongo, plano, valvas lignosas. 
Comentário
Cenostigma é um gênero que se carateriza pelo hábito arbóreo, estípulas caducas, folhas bipinadas, inflorescência racemo ou panícula, flores com pedicelo articulado, zigomorfa, monoclina, hipógina, filetes longos, antera rimosa e legume tipico com valvas lignosas.
Cenostigma Pyramidale é a circunscrição mais recente para a espécie que tem como basiônimo Caesalpinia pyramidales, anteriormente, Queiroz (2009) havia posicionado a espécie dentro de Poincianella. Com a filogenia as espécies de Poincianella do nacionais passaram a serem subordinadas em Cenostigma.
Um dos grandes problemas que se encontra nas espécies que são conhecidas como catingueiras é sua determinação. O que se conhece como catingueira pode ser atribuído a três espécies de Cenostigma: C. bracteosum, C. nordestinum e C. pyramidale. Os caracteres usados para delimitar as espécies são reprodutivos, dessa forma de difícil delimitação quando  vegetativo. Queiroz (2009) em sua excelente obra Leguminosas da caatinga delimita estas a partir da articulação do pedicelo e o comprimento do hipanto. Onde C. pyramidale apresenta pedicelo articulado próximo a base do pedicelo ou seja abaixo da metade do comprimento enquanto as demais tem articulação próximo ao ápice do pedicelo. Este estado de caráter é compartilhado por C. bracteosum e C. nordestinum, tendo a primeira bráctea ovada enquanto a segunda brácteas estreito-ovadas.
A distribuição geográfica pode ajudar muito útil na delimitação das espécies. C. bracteosum ocorrendo em áreas de caatinga sobre arenito nos Estados do PI, CE, RN e BA. Enquanto C. nordestinum ocorre sobre áreas de Caatinga de cristalino nos Estados da PB e PE. Por fim C. pyramidales ocorre sobre o arenito nos Estados do PE, AL e BA.
Um grande problema quanto a determinação é que nos diversos herbários determinações incorretas foram se disseminando e assim o erro foi se perpetuando.

Nome popularcatingueira, catingueira de porco


Epíteto: pyramidale = inflorescência em piramide.


Fotos: Rubens Teixeira de Queiroz, CRAD, Univasf, Petrolina, Pernambuco, Brasil.


Referências


-Bentham, G1870. Flora Brasiliensis 15(2): 68. 
-Gagnom, E.; Bruneau A. , Hughes; C.E.; Queiroz, L.P. and Lewis, G.P. 2016. A new generic system for the pantropical Caesalpinia group (Leguminosae). PhytoKeys 71: 1–160
-Queiroz, L.P. 2009. Leguminosas da Caatinga. Universidade Estadual de Feira de Santana, Royal Botanic Gardens, Kew e Associação de Plantas do Nordeste. Feira de Santana.

-Lewis, G.P. Poincianella in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 06 Mai. 2015


Exsicatas


Tuesday, 23 January 2018

Fabaceae - Albizia pedicellaris (DC.) L. Rico










Leguminosae, Mimosoideae, Ingeae, Albizia Durazz. 120-140 espécies. (Lewis et al. 2005).

No Brasil ocorrem 10 espécies, das quais 3 são endêmicas (Iganci 2015)

Árvores, tronco cilíndrico, liso ou estriado; ramos glabros, inermes. Estípulas 2, basifixa, laterais. Nectário presente no pecíolo ou ráquis. Filotaxia alterna, espiralada. Folha bipinada, multijuga. Inflorescência axilar, glomérulo. Flores sésseis, heteromorfas, actinomorfas, monoclinas, hipóginas; cálice gamossépalo, lobos 5; corola gamossépala, tubulosa, alva; androceu monadelfo, filetes longos; gineceu simples, ovário séssil. Legume típico, folículo ou câmara, linear, plano, glabro. Sementes oblongas, testa lisa.

Albizia pedicellaris (DC.) L. Rico, Tropical Woods 63: 6. 1940.

Basiônimo: Pithecellobium polycephalum Benth., London Journal of Botany 3: 219. 1844.


Nomes populares: mapuxique vermelho, pau bosta (Freitas silva et al. 2004).


Fotos: Rubens Teixeira de Queiroz, Campus I UFPB, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Referência


-Bentham, G. 1844. Albizia. London Journal of Botany 3: 87.
- Iganci, J.R.V. 2015. Albizia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
- Lewis, G.; Schrire, B.; Mackinder, B.; Lock, M. 2005.  Legumes of the world. Royal Botanic  Gardens, Kew, 577p.
- Silva, M.F.; Souza, L.A.; Carreira, L.M. 2004. Nomes populares das Leguminosas do Brasil. Manaus, Edua.

Exsicatas

http://www.tropicos.org/ImageFullView.aspx?imageid=100416974

Fabaceae - Albizia polycephala (Benth.) Killip






















Leguminosae, Mimosoideae, Ingeae, Albizia Durazz. 120-140 espécies. (Lewis et al. 2005).

No Brasil ocorrem 10 espécies, das quais 3 são endêmicas (Iganci 2015)

Árvores, tronco cilíndrico, liso ou estriado; ramos glabros, inermes. Estípulas 2, basifixa, laterais. Nectário presente no pecíolo ou ráquis. Filotaxia alterna, espiralada. Folha bipinada, multijuga. Inflorescência axilar, glomérulo. Flores sésseis, heteromorfas, actinomorfas, monoclinas, hipóginas; cálice gamossépalo, lobos 5; corola gamossépala, tubulosa, alva; androceu monadelfo, filetes longos; gineceu simples, ovário séssil. Legume típico, folículo ou câmara, linear, plano, glabro. Sementes oblongas, testa lisa.

Albizia polycephala (Benth.) Killip, Tropical Woods 63: 6. 1940. 
Basiônimo: Pithecellobium polycephalum Benth.,  London Journal of Botany 3: 219. 1844.

Nomes populares: albizia, anjico branco, camunzé (Freitas silva et al. 2004).


Fotos: Rubens Teixeira de Queiroz, Martins, Rio Grande do Norte, Brasil.

Referência


-Bentham, G. 1844. Albizia. London Journal of Botany 3: 87.
- Iganci, J.R.V. 2015. Albizia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
- Lewis, G.; Schrire, B.; Mackinder, B.; Lock, M. 2005.  Legumes of the world. Royal Botanic  Gardens, Kew, 577p.
- Silva, M.F.; Souza, L.A.; Carreira, L.M. 2004. Nomes populares das Leguminosas do Brasil. Manaus, Edua.

Exsicatas

http://www.tropicos.org/ImageFullView.aspx?imageid=100416773
http://www.tropicos.org/ImageFullView.aspx?imageid=100416831